3 simples maneiras de reduzir a rehospitalização do paciente

Não é nenhum segredo que muitas empresas de assistência domiciliar estão se voltando para as mais recentes tecnologias e softwares para melhorar os resultados assistenciais dos pacientes e reduzir readmissões hospitalares. No entanto, uma das estratégias mais importantes exige voltar para o básico vinculando-se aos pacientes.

A readmissão hospitalar é um fator determinante na escalada dos custos de saúde. Nos EUA, por exemplo, o esforço para reduzir os custos de todo o sistema de saúde colocou pressão sobre os fornecedores de todos os tipos – incluindo empresas de home care – para que reduzissem as reinternações. O cerne da questão, no entanto, não é apenas a redução dos custos, os fornecedores precisam reconhecer os desafios que os pacientes enfrentam após a alta hospitalar.

Para o paciente o momento mais vulnerável emocionalmente e fisicamente está entre o momento da alta hospitalar e ao regresso a casa. Com este foco, as empresas de assistência domiciliar devem aumentar a educação e comunicação das equipes de saúde envolvidas, desde o momento de embarque do paciente no serviço de emergência, responsável por transportá-lo, ao desenvolvimento dos cuidados em casa, identificando aqueles que estão em um alto risco de reinternação hospitalar.

 

O que pode ser feito para reduzir a reinternação hospitalar:

A educação do paciente

Iniciativas que se concentram na educação do paciente são fundamentais para o sucesso global dos cuidados em casa, na avaliação de Sheila Guither, gerente de prática clínica da OSF Serviços de Assistência Domiciliar, empresa americana.

“Você quer ter certeza de que está dando ao paciente as ferramentas e recursos que necessita para gerir seus próprios cuidados e seguir em frente na sua vida – aquelas ferramentas para mantê-lo fora do hospital, que é o nosso objetivo”, comenta ela.

Já os médicos precisam ajudar os pacientes a identificarem um objetivo que é significativo para eles e ajudá-los a trabalhar em direção a este objetivo. Por exemplo, um médico pode ter o objetivo manter o coração do paciente estável, mas o objetivo do paciente poderia ser a de voltar ao trabalho, ou brincar com os netos.

Para Guither é importante traçar metas significativas. As empresas de Home Care também podem se beneficiar da implementação de uma avaliação literacia em saúde. “Você não pode assumir um paciente que é engenheiro sabe alguma coisa sobre cuidados de saúde, nem você pode assumir um paciente que saiu da oitava série não sabe nada sobre os cuidados de saúde – a avaliação literacia em saúde compreende auxiliar na educação do paciente”, enfatiza.

A avaliação de literacia em saúde também ajuda a identificar quem é o “aprendiz chave”, observando que o aluno chave pode ser o filho adulto ou cônjuge do paciente, dependendo das necessidades de cuidados de saúde do paciente.

Evitar o jargão médico é fundamental quando se trabalha com os pacientes, sempre oferecendo materiais de educação no sentido de promover a coerência na comunicação da equipe de toda a empresa.

 

Gestão da Medicação

Um componente importante da educação do paciente é o gerenciamento da medicação. É necessário avaliar quais são as barreiras que o paciente pode enfrentar inicialmente com a programação de medicamentos, avalia Maria Ferraro, gerente clínica no Centegra Home Health.

“Um dos fatores que influenciam a readmissão hospitalar é a medicação”, disse ela. “Se é a incapacidade para dar a medicação, ou o fato de o paciente não entender como tomá-lo.” Finaliza.

O ensino acerca da medicação é incorporado no processo de admissão de todos os cuidadores do Centegra Home Saúde, por exemplo, e os profissionais fazem uma segunda visita ao centro de educação, quando estão lidando com pacientes que utilizam medicações de “alto risco”.

Um questionário é utilizado durante a visita de admissão, incluindo perguntas como “Você entende os efeitos colaterais dessa medicação? Você é capaz de abrir os frascos de comprimido? “, E mais, disse ela.

Ferramentas como os depoimentos dos pacientes e dos cuidados oferecem a oportunidade de se concentrar no que é um desafio para os pacientes, e não o que o médico percebe é um desafio, ou seja, que promove uma melhor assistência global.

 

Avaliação do nível de fadiga

Estruturar uma avaliação que meça a experiência do paciente e dos familiares envolvidos, bem como das equipes, a partir da empresa que oferece a assistência.

Esta é a oportunidade de entender o quão bem a assistência está fazendo ao paciente e à família, independente da evolução médica, de enfermagem ou qualquer outra.

About Autor

Conexão Home Care

Portal de Conteúdo e Informações da Atenção Domiciliar no Brasil.

Deixe uma resposta

%d bloggers like this: