Health by Conexão Home Care
Destaque Mercado de Saúde

O cuidado domiciliar às margens das escolas de medicina

A discussão em torno da abertura de novos cursos de medicina no Brasil é positiva e pode gerar bons frutos para o país se bem conduzida, assim como as iniciativas em busca de alterar o quadro da falta de profissionais médicos em algumas regiões e o fato da regulamentação do trabalho do médico com a instituição do Projeto de Lei do Senado (PLS) 268/2002 e ao Projeto de Lei (PL) 7703/2006, mais conhecidos como Ato Médico.

É certo que essas discussões são maiores do que a atenção domiciliar, mas ao se lançar à construção de um projeto de saúde sólido para o país, em especial quando se tem em pauta a ampliação da duração dos cursos de medicina, não se pode deixar às margens o tema da atenção domiciliar e como ela se insere nos novos currículos dos cursos de medicina do país.

O Brasil de hoje conta com 197 escolas e 209 cursos de medicina, segundo números do Conselho Federal de Medicina (CFM), sendo 56,4% dessas escolas concentradas no sudeste do país, região que concentra quase a totalidade da demanda da atenção domiciliar ou . Porém, nenhum desses cursos agrega no currículo abordagens da atenção domiciliar. Em poucos casos, o que mais se aproxima são disciplinas de Medicina e Comunidade e atividades complementares.

Obviamente o currículo do curso tem a finalidade de habilitar o estudante ao exercício da medicina qual seja o lugar onde o paciente esteja, mas também é evidente que a prática do médico acontece predominantemente dentro de um ambiente hospitalar, local objetivo, sem o peso do contexto familiar sobre a mão do médico. Um ambiente hospitalar é imune às influências emocionais e interferências familiares que recaem sobre os profissionais de saúde no ambiente domiciliar. No ambiente domiciliar, embora a prescrição seja a mesma, as abordagens junto ao paciente, família e demais membros da equipe multiprofissional é diferente.

A atenção domiciliar constitui uma modalidade de atenção à saúde substitutiva ou complementar às já existentes, caracterizada por um conjunto de ações de promoção à saúde, prevenção e tratamento de doenças e reabilitação prestadas em domicílio, com garantia de continuidade de cuidados, segundo a Portaria nº 2.527, de outubro de 2011. Isso tão somente é suficiente para que as discussões em torno da revisão dos currículos dos cursos de medicina considerem a inserção da atenção domiciliar, como disciplina obrigatória.

A – ou home care como é bastante conhecida – é realidade no Brasil há mais de 20 anos. Só no âmbito do SUS são 518 equipes multidisciplinares de atenção domiciliar (EMAD) e 237 equipes multiprofissionais de apoio (EMAP) habilitadas à execução do programa Melhor em Casa, segundo o anuário Perfil Brasil da Assistência Domiciliar. O programa é uma ação do governo para melhorar e ampliar a assistência no SUS a pacientes com agravos de saúde, que possam receber atendimento humanizado, em casa, e perto da família.

No segmento privado são 1.535 empresas atuando com Assistência Domiciliar em todo o Brasil, segundo a Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE 2.0), mais de 12.949 profissionais envolvidos com essa modalidade e 19,9 milhões de pessoas cobertas pela assistência domiciliar.

Enquanto as iniciativas público e privadas trabalham ações pontuais de capacitação e aprimoramento das equipes de saúde que atuam com o Home Care, cabe nesse momento uma reflexão mais profunda sobre a importância dessa modalidade assistencial para o currículo do profissional médico que se lançará no mercado e na casa do paciente.

Related posts

Como abrir um Home Care

Conexão Home Care

A importância da comunicação para o sucesso da transição no cuidado do paciente

Novo espaço amplia visibilidade dos profissionais

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Acreditamos que você está de acordo com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais.

Política de Cookies e Privacidade