Health by Conexão Home Care
+ Notícias Estratégias Qualificação Profissional Recursos Humanos

A importância da Oratória na área da saúde

Até os médicos precisam saber qual tom de voz utilizar ao atender seus pacientes. A oratória é importantíssima nesses casos.

O atendimento na área da Saúde é uma reclamação recorrente na maior parte do Brasil. Isso reverbera em vários lugares do mundo e a pergunta é: os médicos estão preparados para realizar bons atendimentos? E se eles forem de outras nacionalidades e a Língua ainda atrapalhar na compreensão?

Que os médicos têm embasamento teórico e habilidades técnicas não temos dúvidas, até mesmo pela razão de estudarem muito, em horário integral, e ainda terem a necessidade de fazer “residência” para que possam atuar. O problema não está na maneira de atender os pacientes, e sim na forma como se comportam durante o atendimento. A comunicação eficaz é fundamental para a compreensão do paciente, logo, será responsável pela utilização correta dos medicamentos e pela disciplina no tratamento. A credibilidade do médico é fundamental também. Todos os aspectos citados passam pela comunicação, sendo ela verbal ou não verbal, e o que incomoda ou dificulta o entendimento deve ser observado e evitado.

Analisando as reclamações dos pacientes (atendidos por médicos nacionais ou internacionais), poucas vezes ouço pessoas reclamando da falta de domínio do conteúdo dos médicos. Dificilmente encontramos alguém que questione a capacidade do médico, até porque a pessoa não domina mais do que aquele que estudou para exercer a profissão. Logo, a maior parte das reclamações está na falta de clareza, na explicação mal dada, na forma de se relacionar com o paciente e outros fatores nessa linha. Resumindo: problemas de comunicação.

Importante cumprimentar o paciente com simpatia quando ele adentra o consultório. Além de um bom recurso para aproximá-lo de você, isso fará com que ele fique mais à vontade para explicar o que sente, fazendo com que o médico trace o diagnóstico com mais qualidade. Outro ponto muito relevante é falar em linguagem simples. Evite siglas e nomes complexos que a pessoa possa não entender. Quando o médico é estrangeiro fica ainda mais difícil ter essa sensibilidade, principalmente quando não domina a Língua Portuguesa com clareza. Para evitar ruídos na comunicação, o médico deve pedir, ao final, que o paciente fale o que entendeu do que ele disse, que repita o que é para ser feito.

Finalizando, é muito importante olhar nos olhos do enfermo. Isso trará mais credibilidade e aumentará a confiança dele no profissional. Muitas vezes, pela vida corrida e pelo grande movimento nos hospitais, os médicos acabam se concentrando no conteúdo e não observam seus pacientes. Vale lembrar que o contato visual, além de trazer uma conexão entre as partes, mostra que você está interessado de forma genuína ao que as pessoas dizem. Capriche na comunicação e seu conteúdo será percebido de uma forma ainda melhor. Ganha você, ganha o paciente e ganha todo o Sistema de Saúde.


 

Guilherme Miziara é especialista em Comunicação e Oratória. É mestre em Sistemas de Gestão pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e especialista em Comunicação. Atua como palestrante e professor de Oratória, Sustentação Oral, Negociação, Gerenciamento de Conflitos, Técnicas de Negociação, Apresentações Corporativas e Técnicas de Comunicação para Professores. Faz parte do corpo docente de instituições como IBMEC, Fundação Getúlio Vargas (FGV), Coppead/UFRJ e Fundação Dom Cabral.

Related posts

Aprendizado a distância

Paciente em home care pode ter desconto em energia elétrica

Barreiras financeiras e operacionais atrasam o segmento de Home Care

Conexão Home Care

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Acreditamos que você está de acordo com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais.

Política de Cookies e Privacidade