Health by Conexão Home Care

A reconhece todos os esforços contínuos do Ministério da Saúde de nosso país e demais autoridades frente a pandemia global, considerando estas medidas como padrão para o setor da atenção domiciliar, incluindo o quesito segurança, com a utilização de EPIs em acordo com a previsto pelo nosso ministério, evitando assim os excessos acentuando a escassez destes importantes itens de segurança sob responsabilidade de nossos tomadores de serviços, conforme alinhamento prévio com a entidade que representa as empresas de Atenção Domiciliar em nosso país. É nesse sentido que essa modalidade de assistência também deve estar prevista nas estratégias de saúde para o período que se apresenta, com o acolhimento e a representatividade que merece.

Reiteramos, a importância de chamar a atenção para o atual cenário no qual estamos envolvidos, com possibilidade real, e anunciada pelas autoridades sanitárias, de colapso do sistema de saúde hospitalar previsto para o mês de Abril/2020.

Assim, agora, mais do que nunca, se faz necessária a atuação com extrema segurança dos Fisioterapeutas que atuam dentro da atenção domiciliar, a fim de que se evitem internações hospitalares em casos de pacientes de média e/ou alta complexidade, afinal é sabido que se suspendermos, mesmo que temporiariamente os atendimentos de pacientes crônicos, idosos e que necessitam de intervenção fisioterapêutica domiciliar, caso 5% destes pacientes hospitalizem, por exemplo, irão corroborar de forma efetiva ao caos iminente.

É por isso que a ABRASFID, considerando a NOTA TÉCNICA Nº 9/2020- CGAHD/DAHU/SAES/MS, do Programa Melhor em Casa/SUS, que apresenta recomendações da Coordenação-Geral de Atenção Hospitalar e Domiciliar em relação à atuação dos SERVIÇOS DE ATENÇÃO DOMICILIAR (SAD) – PROGRAMA MELHOR EM CASA na pandemia do Coronavírus (COVID-19) e notas técnicas disponibilizadas pela entidade que representa a Atenção Domiciliar brasileira, o NEAD (https://www.neadsaude.org.br/category/neadcovid19/):

recomendamos, em caráter emergencial, a inclusão do setor da atenção
domiciliar nas estratégias das autoridades e comitês de crise no enfrentamento do COVID19 e principalmente no sentido de evitar novas internações hospitalares.

Por fim, a ABRASFID defende que a Atenção Domiciliar e a , em razão da especificidade dos critérios de elegibilidade do setor, devam ter um espaço maior,  incluindo apoio irrestrito das autoridades, autarquias e demais comitês de crise no que tange os EPIs e sua falta no mercado brasileiro atual.

Diretoria ABRASFID

Comitê ABRASFID COVID-19

Publicações relacionadas

Workshop aborda aspectos históricos do tratamento de feridas

Conexão Home Care

Para começar bem o fim de semana

Conexão Home Care

“Maquiagem” não atende aos interesses dos fisioterapeutas da Assistência Domiciliar

Deixe uma resposta

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Acreditamos que você está de acordo com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais.

Política de Cookies e Privacidade
%d bloggers like this: