Como a guerra entre a Rússia e Ucrânia afeta a Assistência Domiciliar

Como a guerra entre a Rússia e Ucrânia afeta a Assistência Domiciliar

Esta é uma indagação que alguns gestores estão se fazendo nesse momento. Nos últimos dois dias recebemos mensagens nos questionando a esse respeito, em especial de gestores que já avaliam a necessidade de aumentar estoques de determinados recursos nas farmácias (exercício que a Covid-19 trouxe nos últimos meses: a gestão do estoque), além da preocupação com a elevação de custos de visitas.

Os impactos que esse tipo de instabilidade traz ao segmento de home care estão todos relacionados à elevação de preços e eventual redução das expectativas de crescimento do setor, considerando que o segmento privado ainda depende predominantemente dos planos de saúde.

Ao afetar a economia global os eventos na Ucrânia poderão pressionar a inflação brasileira, com possíveis desdobramentos nos preços das commodities, dos serviços e dos produtos locais. Para se ter ideia, um dia depois dos eventos, o petróleo superou a ordem dos U$ 100 pela primeira vez em mais de sete anos. Os preços dos combustíveis não devem subir imediatamente no Brasil, mas este indicador deve estar na tela de todo gestor.

 

Possíveis impactos:

  • Elevação dos preços de produtos derivados do trigo, como pão francês, massas, biscoitos, uma vez que o Brasil importa anualmente da Rússia metade do consumo nacional; isso pode impactar nos preços de dietas enterais;
  • Eventual aumento de combustíveis eleva não apenas os insumos, mas serviços de transporte e logística; isso pode impactar preços como um todo e custos de transporte e deslocamento a casa do paciente;
  • A alta do petróleo também tem forte impacto em outros produtos petroquímicos, tais como plásticos e embalagens, que podem subir de preço; isso impacta nos preços dos insumos como um todo;

Os eventos das últimas 48 horas não têm precedentes para as gerações de muitos gestores atuais e embora muitos analistas indiquem impactos em potencial para a economia local como um todo, é importante acompanhar com atenção.

O aumento dos custos das fontes pagadores eleva a pressão por redução de custos na ponta prestadora de serviços, que aumenta a pressão por melhores condições de preços na ponta fornecedora e inevitavelmente aumenta concorrência. Optar por ampliar tempos de estoques deve ser uma decisão do gestor, isso ao longo do ano pode se mostrar uma excelente decisão estratégica, mas eventualmente pode estrangular o fluxo de caixa da empresa.

 

Antecipar movimentos agora pode trazer importantes ganhos de competição – em especial num mercado essencialmente movimentado pelo preço – contudo, a empresa deve observar as variáveis que circundam seu ecossistema de funcionamento e se decisões imediatistas prejudicam seu motor financeiro.

 

Recomendações:

  • Atualize semanalmente junto aos fornecedores os orçamentos dos preços dos insumos que representam 80% dos custos; acompanhe os custos de EPIs em separado, pois estes são custos administrativos;
  • Atualize semanalmente o indicador dos custos de deslocamento das equipes de saúde (gastos com combustíveis e afins);
  • Acompanhe os indicadores inflacionários que impactam a atualização dos custos administrativos;
  • Ao identificar variações de preços que prejudiquem no futuro a margem de contribuição do orçamento dos pacientes, formalize proposta de renegociação junto às fontes pagadoras e busque atualizar as tabelas.

Deixe um comentário

Seu email não será publicado.