Cuidando dos Idosos … ATÉ O FIM

Home Notícias Cuidando dos Idosos … ATÉ O FIM
Cuidando dos Idosos … ATÉ O FIM

Por: Ana Amélia Camarano.

Uma verdade do nosso tempo que intimida e vem sendo, no mínimo, negligenciada está expressa nos alarmantes números de mortes consequentes de longos processos de enfermidade. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que mais de 52 milhões de pessoas morrem por ano em todo o mundo.

Os registros evidenciam que apenas cerca de 10% de todas essas mortes são por causas agudas, acidentes, doenças fatais e catástrofes. Os outros 90% são decorrentes das doenças agudas incapacitantes e das enfermidades crônico-degenerativas que podem evoluir com um lento e longo processo de morrer, dependendo da doença e das comorbidades envolvidas (DOYLE; WOODRUFF, 2010).

O câncer e as doenças cardiovasculares são os grandes responsáveis pelos elevados índices de morbidade e mortalidade entre os idosos; as doenças neurodegenerativas e osteoarticulares estão na base da incapacidade que acomete esta população, comprometendo sua autonomia com um enorme prejuízo funcional e um alto grau de dependência para as atividades do dia a dia.

A partir de estudos e investigações sistemáticas, a OMS faz um grave alerta, referindo-se ao final da vida de pessoas doentes no mundo inteiro: em países desenvolvidos e em desenvolvimento, pessoas estão vivendo e morrendo sozinhas e cheias de medo, com suas dores não mitigadas, os sintomas físicos não controlados e as questões psicossociais e espirituais não atendidas (WHO, 2010).

É frente a esta realidade que, incontestavelmente, os cuidados paliativos se apresentam como uma forma pertinente, inovadora e urgente de cuidado, particularmente na área da saúde da população idosa, onde quer que estejam essas pessoas ao final da vida: em suas casas, sozinhas, ou com seus familiares; internadas em enfermarias de hospitais ou em unidades de tratamento intensivo; ou ainda residindo em instituições de longa permanência.

 

Fonte: Cuidados de longa duração para a população idosa: um novo risco social a ser assumido? / Ana Amélia Camarano.

Deixe um comentário

Seu email não será publicado.