Farmácia Colaborativa atenderá empresas de Home Care em todo o Brasil

Farmácia Colaborativa atenderá empresas de Home Care em todo o Brasil

O setor de assistência médica domiciliar deverá conhecer nos próximos dias o novo conceito de farmácia que o grupo Vitae Health está desenvolvendo para atender empresas de Home Care em todo o Brasil, trata-se da Farmácia Colaborativa, um novo modelo de negócios direcionado para o setor e que buscará, segundo os seus criadores, aperfeiçoar o desempenho das empresas de home care.

Segundo Paulo Roberto, CEO do Grupo Vitae Health e executivo a frente do projeto Farmácia Colaborativa, este modelo de farmácia encontra ressonância na própria economia colaborativa já muito difundida e com muitos negócios no Brasil, em que os processos de negócios têm como foco partilhar bens e serviços em vez de adquiri-los, no caso com as empresas de home care compartilhando um mesmo espaço de farmácia.

Passamos os últimos dois anos estudando o setor de home care e compreendemos que para termos sucesso como parceiros das empresas de home care precisávamos inovar, e foi isso que fizemos, criamos a Farmácia Colaborativa. Vamos oferecer para as empresas de assistência domiciliar tudo o que elas precisam: mais desempenho de custos. Assinala Paulo Roberto.

A Farmácia Colaborativa se assemelha ao modelo de espaços de coworking, onde um mesmo ambiente acomoda várias empresas que compartilham o mesmo espaço de trabalho, discutem melhores práticas, processos e dividem entre si as despesas gerais e os locais de área comum.

Segundo Paulo Roberto, muitas frentes foram abertas para entender a legislação brasileira que regulamenta o setor de atenção médica domiciliar, além de discussões com unidades de vigilância sanitária e com a própria cadeia de fornecimento da saúde. “Ao estudar a legislação dos serviços de home care no Brasil, notamos que haviam lacunas que poderiam ser preenchidas para agregar ainda mais valor nas entregas das empresas de serviços domiciliares”, comenta o CEO.

O CEO é ex-executivo do Banco do Brasil, onde trilhou carreira nos setores de negócios da instituição, acumulando experiência e um amplo currículo.

O setor de assistência domiciliar é regulamentado pela Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), a RDC 11, que estabelece as condições necessárias para que uma empresa funcione regularmente no Brasil. Hoje o Brasil conta com mais de 800 empresas nesse setor, além de empresas substitutas e outros tipos de modelos de serviços de atendimento em casa.

Para o CEO, o modelo da Farmácia Colaborativa transformará o status da competição atual do setor, colocando as empresas em um novo patamar de desempenho e entregando mais valor para as fontes pagadoras, as operadoras de planos de saúde.

“Processos de compra mais sofisticados e em escala, de dispensação para o paciente, de logística reversa, atendimento de alteração de prescrições, de intercorrências e regimes de plantões ininterruptos, ações de farmacovigilância, analisamos em detalhe todo o processo de uma farmácia de home care para ter certeza de que estamos entregando o que o nosso cliente precisa.” Destaca Paulo Roberto.

O primeiro centro de distribuição está sendo montado no Distrito Federal e outros deverão ser pensados de acordo com a malha de clientes conquistados pelo grupo, especialmente para o estado de São Paulo, onde a concentração de empresas é maior.

Estamos no centro do país, um dos principais polos de atendimento domiciliar e com importantes empresas sediadas. No primeiro semestre desse ano começamos rodar em beta com as primeiras empresas clientes. Nos próximos dias iniciamos as estratégias de comunicação, site e equipes comerciais”. Finaliza Paulo Roberto.

 

Contatos sobre a Farmácia Colaborativa:

 

 

Deixe um comentário

Seu email não será publicado.