Health by Conexão Home Care
Weekee
+ Notícias Medicina

Justiça condena médico que examinou paciente por foto de celular a pagar indenização de R$ 10 mil

Por: Grupo Thathi.

Caso ocorreu em fevereiro de 2019 na Beneficência Portuguesa; hospital também sofreu derrota.

O Tribunal de de São Paulo (TJ-SP) condenou o Hospital Sociedade Portuguesa de Beneficência a pagar uma indenização por danos morais no valor de R$ 10 mil a um trabalhador após . O homem, que é carcereiro, afirmou que foi diagnosticado através de uma foto, tirada por um celular, e que o médico não chegou sequer a vê-lo.

Em 9 de fevereiro de 2019, Marcos Henrique Magalhães sofreu uma lesão perfuro cortante no pé esquerdo durante à noite. Procurou atendimento médico no Hospital Sociedade Portuguesa de Beneficência. “Eu cheguei lá e disseram que o médico estava muito ocupado. Um dos enfermeiros tirou uma foto do meu pé e levou até ele. Quando voltou, o enfermeiro fez um curativo e me liberou, mandou que eu fosse pra casa”, disse.

No dia seguinte, o quadro se agravou e o homem procurou outro hospital, o Santa Lydia, onde esclareceu que foi “atendido por uma médica de forma humana e que, imediatamente, lhe aplicou sete pontos no ferimento, e solicitou a aplicação de uma vacina antitetânica”. “O atendimento foi perfeito e o problema, resolvido”, explicou Magalhães, “mas a médica disse que algo muito grave poderia ter acontecido se eu não tivesse voltado”.

Ação

Indignado com a atitude do médico, Magalhães resolveu então ajuizar uma ação de indenização por danos morais em face do Hospital

Sociedade Portuguesa de Beneficência e contra o médico responsável. “Senti que fui desrespeitado. Como pode, diagnosticar por foto e me mandar embora com o pé infeccionado? Eu poderia ter perdido o pé”, disse.

Em 1ª instância, o Juiz de Direito Guilherme Stamillo Santarelli Zuliani, da 3ª Vara Cível da comarca de Ribeirão Preto, entendeu que o hospital “responde objetivamente pelos danos causados, sobretudo pela má escolha dos seus médicos”.

A sentença foi mantida pelo TJ. “Na verdade, quando alguém é vítima de um desleixo médico dessa envergadura, inimaginável em termos de segurança que deve destinar ao paciente, a sensação que a pessoa incorpora é a de que, no mínimo, foi, desdenhada como ser humano, o que redobra o sentimento de humilhação. Fazer um simples curativo em cima de corte profundo caracteriza método aviltante de atuar. É ato que coisifica o ser humano”, disso magistrado, na sentença.

O valor da condenação, proferida pela Justiça de Ribeirão, repartida entre o médico e o hospital, foi de R$ 10 mil. O hospital recorreu, mas em nova decisão, dessa vez dada pelo TJ e publicada em novembro, a Beneficência foi novamente condenada. Não cabe recurso. “Acho que, com isso, o médico vai pensar duas vezes antes de mandar pra casa um paciente depois de ver uma foto, e o hospital vai cuidar para que os pacientes sejam atendidos dignamente”, disse Magalhães.

Outro lado

A reportagem do Grupo Thathi tentou falar com a Beneficência Portuguesa, mas o grupo hospitalar não retornou até o fechamento da matéria. A reportagem não conseguiu contato com o médico.

No processo, o médico responsável pelo atendimento informou que “estava em atendimento de emergência/urgência quando o autor chegou ao hospital” e que o caso não ensejava atendimento prioritário. A defesa do hospital alegou o mesmo.


Fonte: https://thathi.com.br/

Publicações relacionadas

Planos de Saúde x Home Care – Quem sai perdendo é o Consumidor!

Dia a Dia: Em MT só 7% dos pedidos de liminar são concedidos

Conexão Home Care

Cláusula que exclui tratamento domiciliar é nula

Conexão Home Care

Deixe uma resposta

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Acreditamos que você está de acordo com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais.

Política de Cookies e Privacidade
%d bloggers like this: