Health by Conexão Home Care
Weekee
+ Notícias Estratégias Mercado de Saúde Tecnologia

Melhoria da qualidade e segurança na saúde brasileira

O VIII Seminário Nacional em Acreditação Internacional, realizado pelo Consórcio Brasileiro de Acreditação (CBA), nos dia 7 e 8 de novembro, em São Paulo, foi um sucesso. O auditório do hotel Golden Tulip Paulista Plaza ficou lotado nos dois dias do evento, que foi aberto com a conferência Influência da gestão participativa nas lideranças institucionais, ministrada pelo presidente da Sociedade Israelita Brasileira Albert Einstein (SP), Claudio Lottenberg, que ressaltou que o papel do líder é fundamental para a cultura organizacional de toda empresa.

Para ele, a cultura organizacional depende do profundo envolvimento da liderança com os níveis estratégicos, táticos e operacionais da empresa. “O líder pode ter vários atributos, mas jamais poderá abrir mão de seu compromisso e valores com a instituição”, assegura. Lottenberg falou ainda sobre o comprometimento da liderança com os processos de qualidade, fundamental para criação de barreiras de risco e o aumento da segurança.

Falando sobre as condições de saúde no Brasil, Lottenberg afirmou que “melhorias em alocação e gestão de recursos poderiam garantir o financiamento necessário para dar aos brasileiros uma saúde digna”. Para isso, apontou três ações fundamentais: garantir o bom uso dos recursos, buscando mais eficiência e melhor governança e gestão; aprimorar o planejamento da operação e a expansão do integrado; e, reorganizar o sistema colocando o paciente como foco. Para ele, atualmente, faltam informações confiáveis sobre o , “sem as quais não é possível monitorar o desempenho e a qualidade dos serviços”. Para o presidente da Sociedade, é preciso ainda criar redes regionais integradas de prestadores de serviço e integrar os sistemas de informação clínica.

A conferência de Lottenberg foi seguida pelo painel O papel das lideranças na implantação e monitoramento da cultura da segurança e nos comportamentos seguros dos profissionais de saúde, com a participação do Diretor Médico e Superintendente do Hospital Israelita Albert Einstein (SP), Miguel Cendoroglo Neto, e da Gerente de Qualidade, Segurança Assistencial e do Serviço de e Estatística (SAME) do Hospital Sírio-Libanês, Sandra Cristine da Silva.

O superintendente do Hospital Israelita Albert Einstein destacou que comportamentos seguros dos profissionais de saúde têm reflexos diretos na qualidade dos cuidados de saúde e, juntamente com a transparência, são fundamentais para atingir uma boa cultura de segurança.

De acordo com Cendoroglo Neto, apesar dos esforços e melhorias para padronizar e sistematizar a assistência da saúde, a frequência de eventos adversos continua alta: 1 em cada 10 pacientes desenvolve condições adquiridas através da assistência a saúde durante a hospitalização, segundo pesquisa apresentada por ele. Entre elas estão: infecções, úlceras por pressão, quedas e efeitos colaterais de medicação.

Para evitar danos, o Hospital criou as chamadas 5 Regras de Ouro da Segurança. São elas: Consciência (“Nunca ignore uma situação ou comportamento inseguro – Todos têm autoridade e dever para interromper atividades e comportamentos inseguros”), Atenção (“Mantenha sempre a atenção na atividade que está sendo executada e siga os procedimentos, regras e sinalizações de segurança”), Cuidado (“Cuidado no trajeto. Não corra. Use o corrimão ao descer e subir escadas. Ao caminhar ou prestar assistência ao paciente, não use o celular”), Comunicação (“Todos os incidentes devem ser imediatamente comunicados e tratados”) e Segurança (“Só execute se estiver seguro – Nenhuma tarefa é tão importante que não possa ser executada com segurança”). Como resultado, o número de acidentes biológicos reportados no Centro Cirúrgico passou de 17, em 213, para 8, em 2015.

O Superintendente defende que a falta de transparência na relação hospital-paciente-família, pode afetar a credibilidade institucional. Foi justamente um evento sentinela que mobilizou a direção do Hospital a incluir em seu plano estratégico, projetos nas áreas de Educação, Transparência, Pesquisa e Inovação. Entre as ações implementadas estão o Conselho Consultivo para Segurança do Paciente, com a participação direta de pacientes e familiares, e dois Códigos de Segurança, um para incentivar pacientes e familiares a solicitarem informações sobre o tratamento e o outro para promover o melhor cuidado entre os profissionais da saúde.

Cendoroglo Neto diz que o processo de disclosure foi fundamental para que o evento adverso não afetasse tanto a confiabilidade e a imagem da instituição. De acordo com ele, foram às ações responsáveis e de transparências adotadas no caso, que fizeram com que a família não entrasse com processo judicial contra o hospital e que a mídia não repercutisse negativamente o fato.

Gerente de Qualidade, Segurança Assistencial e do Serviço de Atendimento Médico e Estatística (SAME) do Hospital Sírio-Libanês, Sandra Cristine da Silva disse que é preciso que os erros não sejam apontados como falhas individuais, mas como falhas do sistema. A gerente deu 7 recomendações, para que a liderança obtenha a segurança do sistema. São elas: construa a cultura de segurança; lidere e apoie os profissionais; integre na sua atividade a segurança do paciente; estimule os relatos; envolva os pacientes e familiares; compartilhe as ações de segurança; e, implemente ações para evitar lesões.

Para fortalecer a cultura de segurança, Sandra Cristine assegura que é preciso lidar com o erro de forma acrítica, ética e transparente e ainda, que se construa um ambiente de trabalho coeso e respeitoso. Para ela, é importante que uma instituição encoraje seus profissionais de linha de frente a relatarem suas preocupações, e que invista em dois aspectos: melhoria da comunicação e em ferramentas robustas para aumentar a confiabilidade dos processos. A Gerente disse que benchmarking e o empoderamento das equipes e paciente como  fundamentais para a promoção da Cultura de Qualidade e Segurança.

Publicações relacionadas

PARTICIPE: Encontro Regional de Saúde e Atenção Domiciliar, 26 E 27/04

Conexão Home Care

Recadastramento Conexão Home Care

Tecnologia para incontinência urinária

Deixe uma resposta

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Acreditamos que você está de acordo com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais.

Política de Cookies e Privacidade
%d bloggers like this: